quinta-feira, 17 de maio de 2007

TAQUARA POCA
....e naquelas tardes mornas que só no nordeste acontecem ficava eu a sonhar com o lugar em que vivo agora. Taquara - Póca povoou minha infância, adolescência e vida adulta e ficará muito, muito depois de mim.
******
Francisco Marins, ao escrever esta literatura infanto-juvenil, cobre um determinado tipo de ruralidade, específico do minifúndio paulista da primeira metade do século XX. A Série Taquara-Póca, inicia-se em 1945, com o livro "Nas terras do Rei Café". Os livros seguintes são: “Os Segredos de Taquara-Póca”, “O Coleira Preta” e “Gafanhotos em Taquara-Póca”, totalizando quatro obras que seguem o mesmo enredo temático. É interessante analisar de que forma o escritor constrói a imagem da ruralidade, se esta se aproxima mais de uma visão romantizada ou real da vida no campo.
Pode-se dizer que Taquara-Póca representa uma pequena propriedade rural do interior paulista dos anos 1940-1950. A partir dela, Francisco Marins escreve sobre a vida rural brasileira e seus problemas. No entanto, quando mencionamos a questão da ruralidade, sabemos que se deve levar em consideração os diferentes universos rurais, as especificidades e dinâmicas do meio rural a ser estudado. Certamente a forma como se estabelecem as relações e as formas de vida numa pequena propriedade, não são as mesmas que se estabelecem em um latifúndio.

Um comentário:

Fabio disse...

Tello
que bom que vc pode realizar seu sonho de menino. Aqui estamos crescendo há 19 anos, aqui assistimos tudo crescer, e experimentamos os primeiros frutos do pomar. Aqui criamos os nossos animais, alguns já foram, e todos deixaram e embelezam nossas vidas de pureza e alegria. Nosso jardim está sempre radiante e nossas vidas sempre preenchidas com a simplicidade de viver no mato. Taquarapoca é o que nós trazemos em nossos corações, e por isso zelamos com o maior cuidado do mundo. Agradeço sua companhia nesse trajeto.